"Monocrômica, anacrônica, atraente, arcaica Antonina, não amo-te ao meio, amo-te à maneira inteira."
Edson Negromonte.



domingo, 20 de março de 2011

A DOR E A OPORTUNIDADE

Parte 2

AÇÕES COORDENADAS

Olhamos para nossa dor como se ela fosse a única. Nossa visão para dentro da nossa bolha reflete o quanto estamos despreparados, com razão, para enfrentar problemas mais sérios. Não estou aqui culpando administrações, pois ninguém seria capaz de imaginar que tal calamidade poderia acontecer em nosso litoral. Quando pedimos ajuda para Antonina, pedimos porque é a nossa cidade, porque a nossa gente está sofrendo, mas esse pedido carece de uma analise mais profunda e realista da situação das cidades atingidas.
As propostas que li no blog do Bó (clique para ler) é um caminho e elas, naturalmente, seguirão um trâmite para chegar às mãos de quem tem a capacidade e poder de decisão. Porém, para qualquer medida, antes é preciso um conjunto de ações coordenadas com o intuito de captar recursos para as devidas necessidades e estudos. Toda ajuda e propostas passam por certas regras e estas devem seguir não só o critério solidário, como também o político, sendo este o mais importante. Digo ser o mais importante porque cada cidade atingida pela calamidade tem suas lideranças e estas são os instrumentos de aquisição de recursos. Mas para isso deve haver uma estratégia e esta deve passar, em primeiro lugar, pela união das forças políticas locais. Como cada cidade atingida tem problemas em comum, a maneira mais eficaz de captar os recursos é através da criação de um consórcio, cuja atribuição é coordenar as ações necessárias, devido aos trâmites burocráticos e às determinantes legais.
Não afirmo que o viés político é o único caminho, embora considere o principal. A sociedade civil organizada tem um papel fundamental subsidiando o consórcio com informações, propostas e levantamentos, principalmente aqueles que sofreram e sofrem com a calamidade. A situação dos desabrigados, infelizmente não é o único problema a ser pensado e resolvido. Há também o impacto social e econômico - este pela demora do escoamento da safra de soja, aquele pela crise do turismo. Como a economia do litoral depende das estradas é imperativo que se priorize a reparação das vias de acesso e depois se estude outras alternativas mais seguras (Interportos e uma nova ligação com a BR 116).
Em relação a crise do turismo, imediatamente as entidades responsáveis devem elaborar ações, promoções e subsidiar as autoridades com o intuito de adotarem medidas emergências para a sobrevivência dos seus negócios e, consequentemente, a garantia de trabalho dos seus empregados. É obvio que as propostas devem partir da administração local em conjunto com a Aestur, com o intuito de levá-las ao Governo do Estado e, através da secretaria de turismo, desencadear ações pertinentes para sobreviver a crise.  
Portanto, a situação é grave, pois cada ação está condicionada a outra e levará tempo para as coisas entrarem nos eixos. Mas esse tempo exige algumas condicionantes e a principal delas é a estratégia a ser adotada para a chegada desses recursos, cuja premissa está nas ações coordenadas das lideranças políticas da região.

9 comentários:

Jefhcardoso disse...

Olá Luíz Henrique!
Lamento pelas chuvas ocasionadas, espero que a recuperação da cidade seja breve e os desabrigados tenham seu próprio teto.
Que o Senhor dê forças a todos!
Prazer em estar aqui!
“Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)
Gostaria de lhe convidar para que comentasse o meu conto “Água benta bem gelada”. Ok?
Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

Anônimo disse...

PREFEITO CANDUCA, VOCÊ É UM LIDER DO BEM.

LÍDER
Ser líder é praticar a sabedoria que já nasceu com você;
Ser líder é colaborar para o bem da coletividade;
Ser líder é lutar em prol dos necessitados;
Ser líder é ter força para correr atrás do bem para todos;
Ser líder é saber quando começar e quando recuar;
Ser líder é poder decidir em benefício da maioria;
Ser líder é a maior conquista de um homem.

Liderança não se impõe se conquista, por isso o líder até calado transmite poder,
A massa liderada sempre espera do líder uma resposta, por entenderem que ele falará na hora certa e o que eles querem ouvir, porque conhecendo o seu líder conhecerá sua luta e personalidade.
O líder nunca é abatido, mesmo em desvantagem ou impedido de exercer o seu ofício, ele sempre predomina com a sua paciência e segurança, por transmitir soluções nos problemas que os cercam e sempre termina liderando em sua volta, pois Deus lhe deu sabedoria para agir assim.
O líder se destaca entre multidões e as pessoas também o escolhem por conhecerem o seu poder de liderança, resultante da sua coragem, bondade, competência, espírito de Justiça e objetivos sociais, além de infinitas qualidades essenciais a um líder.
Se o líder morre, ele vira mito ou lenda, mas, jamais será esquecido.
O líder é amado e odiado, mas tem o poder de ser amado até pelos que lhe odeiam, tanto é que todos querem saber sobre ele e tem orgulho em falar que conhece ou conheceu determinado líder.
Quando o líder passa por provações que superam suas forças, ele também recebe mais força de Deus para lhe encorajar e vencer todas as barreiras e fronteiras, porque normalmente o líder mesmo errando erra para acertar.
O líder cativa às pessoas, é entendido e mantém total sintonia com a sua gente, de tal maneira a saber quais são as suas necessidades,
O líder é transparente, porque ninguém engana a todos todo tempo,
A vida do líder é mais investigada do que todos as vidas, considerando que imensidões de pessoas lhe observam e lhe seguem, também não há testemunha melhor para atestar a polidez da vida de um líder, do que o próprio povo que lhe faz campana a cada minuto de sua existência.
Todo Líder tem ideal e planeja como executa-lo, porque com ele acompanha a coragem, à vontade de vencer e ver a coletividade sempre privilegiada.
Por isso, onde existe um líder, existe também uma força Governamental acompanhando seus passos e investiga em primeiro lugar qual é sua ideologia.
O Líder é pessoa bem informada, conhece os direitos e deveres de sua gente, mesmo que não seja um intelectual, tem suas bases de sustentação para dar firmeza às reivindicações propostas e garantir com êxito aquilo que busca.
A sabedoria de um líder, preocupa até os próprios líderes, pelo poder que ele tem de reunir multidões e dirigir uma massa organizada com muita facilidade, porque as suas palavras são fortes e podem decidir o destino de um povo, pela interpretação e direção a ser tomada formando assim um Juízo de valor em cada som que sai da sua boca.

"O Siri do Portinho"

Anônimo disse...

Menos Siri, menos!

Amigos do Jekiti disse...

Essa história de líder, me fez lembrar Maquiavel e sua obra O Principe. Segundo o "cientista político" o "principe" deve ter dois pré-requisitos básicos: A virtu e a fortu. A virtu seria a capacidade pessoal e política do líder, sua adaptação e as boas medidas dos seu governo. A fortu seria o inusitado, o acaso, o destino, como queiram. A dialética, no caso de Caduca, é a forma como ele atuará (virtu) para tirar Antonina dessa calamidade (fortu)
Vamos ver se nosso prefeito terá as características maquiavélicas do grande líder.

Anônimo disse...

Catástrofe maior foi ter elegido Canduca prefeito de Antonina.
Pior ainda é ter um primo puxa-saco que o chama de líder.

Fortunato disse...

VIRTÚ E FORTUNA


Era o que dizia o Maquiavel: você precisa das duas: virtù e fortuna. Numa definição modernizada, virtù é o conjunto das nossas qualidades pessoais e fortuna são os fatores fora de nosso controle, digamos, o nosso destino - mas para o apedeuta anônimo, vamos dizer a nossa "sorte" - para que o descerebrado entenda. Para ter sucesso na vida, inclusive na vida profissional, você precisa de ambas. Até certo ponto, muita fortuna compensa um pouco de falta de virtù e vice-versa, mas há limites. Precisa ser muito, um rematado bocó precisa de muita, muita sorte mesmo, para conquistar sucesso profissional.

E, se você for absolutamente azarado, precisa ser muito gênio para dar um par de passos na carreira.

É muito comum a turma falar no "quem indica". Indicações são importantes, sim, mas as boas indicações vêm de pessoas satisfeitas com o seu serviço ou de colegas que acham você competente, o que significa que, para ter a fortuna(sorte/destino) das boas indicações, é necessário ter a virtù(qualidade) de procurar aprender a trabalhar de modo que satisfaça os clientes e cause boa impressão aos colegas. Evidentemente, é importante aparecer, expor-se, correr atrás do serviço. Gregos e romanos tinham uma deusa para essas coisas, Fortuna em latim, Tyche em grego.

É preciso colocar-se no caminho da deusa, para se beneficiar de tudo o que ela trás de bom. Finalmente, é importante estar preparado para fazer uso das dádivas da deusa. Tenho um colega que sempre atribui à sorte o ter topado com um amigo que estava com mais serviço do que podia fazer e queria se livrar dele(serviço). Mas o fato é que, se ele não estivesse preparado para fazer o serviço, ou teria de recusar ou faria um serviço porco e não viria a ser um pessoa com virtú e que jamais seria indicada a um cargo por falta de fortuna(sorte/destino).

Vou agora discorrer um pouco sobre o Prefeito Canduca, pois o meu primo Carlinhos como um humano é uma metamorfose ambulante. A Deusa grega Fortuna o agraciou e lhe deu essa oportunidade de dirigir a cidade de Antonina, sabe porquê? Há tempos ela agraciou pessoas em Antonina para nos dirigir sem virtú e sem fortuna, pois o Canduca tem qualidades e soube fazer o seu destino e foi agraciado pela deusa com essa responsabilidade de ser o Prefeito Municipal de Antonina, então ele é sim um líder.

Quanto ao meu nome FORTUNAto, origem italiana, vem de AFORTUNAdo - aquele que tem virtú/fortuna. Esse nome foi muito difundido na Ilha da Sicilia em tempos idos, a ilha é pedregoso e a terra é muito ruim para a agricultura, reza a lenda que se a família tivesse um filho com esse nome, ou se tivesse um amigo com esse nome, a dispensa da casa jamais ficaria vazia.

Abs

Luiz

Natinho

Αφθονία

Anônimo disse...

O Homem Fênix


Em Antonina
No cheiro gostoso dos frutos dos quintais:
Goiaba. Jaboticaba. Caqui.
Nasce um "Homem" raro, diferente
Que concretiza sonhos
Realiza esperanças
Faz Antonina crescer.
Com seriedade e determinação fala, gesticula, encara.
Arrancando gritos de alegria e aplausos de louvor, em massa...
A Antonina é toda linda
cheia de praças, de festa, de seresta
De verde, de flores
Onde centenas de pássaros acordam seus moradores
com seu gracioso cantar.
Em alguns restaurantes especiais da cidade
todos, todos podem almoçar o bagre azul a lá Canduca.
_Ah! Se o mundo inteiro, nessa parte, fosse igual:
"Homens" raros que combatem a fome.
A fome que mata, que consome...
Canduca mais que Prefeito
Um companheiro é:
Patriota ! Trabalhador
Idealista. Humano.
Sem ter mil braços
Aquece Antonina abraços
Sem ter mil corações
Deixa uma fração do que tem
em cada lugar.
Assim Antonina cresce, avança, progride
Nos berços dormem em paz ditosas crianças
trazendo esperanças aos antoninenses.
Parabéns Prefeito Canduca !
Parabéns Antonina !
Parabéns Brasil !

"O Siri do Portinho"

Anônimo disse...

Siri anda de lado, pela idolatração do homem fênix o afortunado crustáceo acima foge a regra, vai de ré... no quibe.

Anônimo disse...

Até parece que tem anônimo com saudades da Mônica e do Kléber, mas eu amo o meu prefeito Canduca.

Para esses vou publicar abaixo um poema para o Povo de Antonina lembrarem-se desses dois ex-prefeitos.

Prefeitura sem prefeito(por Patativa do Assaré)

Nessa vida atroz e dura
Tudo pode acontecer
Muito breve há de se ver
Prefeito sem prefeitura;
Vejo que alguém me censura
E não fica satisfeito
Porém, eu ando sem jeito,
Sem esperança e sem fé,
Por ver no meu Assaré
Prefeitura sem prefeito.

Por não ter literatura,
Nunca pude discernir
Se poderá existir
Prefeito sem prefeitura.
Porém, mesmo sem leitura,
Sem nenhum curso ter feito,
Eu conheço do direito
E sem lição de ninguém
Descobri onde é que tem
Prefeitura sem prefeito.

Ainda que alguém me diga
Que viu um mudo falando
Um elefante dançando
No lombo de uma formiga,
Não me causará intriga,
Escutarei com respeito,
Não mentiu este sujeito.
Muito mais barbaridade
É haver numa cidade
Prefeitura sem prefeito.

Não vou teimar com quem diz
Que viu ferro dar azeite,
Um avestruz dando leite
E pedra criar raiz,
Ema apanhar de perdiz
Um rio fora do leito,
Um aleijão sem defeito
E um morto declarar guerra,
Porque vejo em minha terra
Prefeitura sem prefeito.

O ou A "Siri do Portinho"

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento