"Monocrômica, anacrônica, atraente, arcaica Antonina, não amo-te ao meio, amo-te à maneira inteira."
Edson Negromonte.



terça-feira, 27 de dezembro de 2011

PSDB decide processar autor do livro A Privataria Tucana.

por Conceição Lemos

Deu no Blog do Noblat que Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, disse há pouco a este blog que na próxima semana seu partido entrará com ações na Justiça contra o jornaista Amaury Ribeiro Jr., autor do livro “A Privataria Tucana”, e o editor Luiz Fernando Emediaro, dono da Geração Editorial e responsável pela publicação do ivro. “Vamos para cima deles. O livro está repleto de mentiras”, explica Sérgio.
Acabei de conversar, por telefone, com o jornalista Luiz Fernando Emediato sobre o assunto.
“Vivemos num sistema democrático e nos processar é um direito do PSDB”, afirma Emediato “Consequentemente, que o exercite, se julgar conveniente.”
“Apenas advirto que o último a processar o jornalista Amaury Ribeiro Jr. se deu mal”, observa. “Além de ter resultado na inocência do jornalista, o processo fez com que ele tivesse acesso aos documentos da CPI do Banestado, que embasam parte do livro A Privataria Tucana.”
Emediato refere-se a Ricardo Sérgio de Oliveira, ex- presidente da área internacional do Banco do Brasil na gestão FHC e tesoureiro de campanhas do PSDB, inclusive das de José Serra à presidência.
Ricardo Sérgio entrou com processo contra Amaury por danos morais em função de reportagens nas quais o denunciou. O jornalista recorreu então a um procedimento chamado exceção da verdade, que lhe permitiu ter acesso a todos os documentos da CPI do Banestado que envolviam o Ricardo Sérgio.
Em entrevista dada a esta repórter, Amaury Ribeiro Jr. já antecipou: “Com certeza, vou recorrer novamente à exceção da verdade para provar que tudo o que está em A Privataria Tucana é verdade. É só me questionarem”.
Quanto à possibilidade de o PSDB processar a Geração Editorial e/ou o seu dono, Emediato retruca: “Eu trabalhei em várias campanhas do PSDB na década de 1990. Portanto, não me faltam documentos para eu me defender. Que venham os processos!”
Viomundo

Por Amigos do Jekiti
O Deputado Fedeal pelo PC do B, Delegado Protógenes, protocolou abertura de CPI para apurar as denúncias contidas no livro do jornalista, Amaury Ribeiro Júnior, no qual ele descreve e indicia provas - através de documentos - as possíveis falcatruas cometidas pelos tucanos durante as privatizações do governo FHC. Serra, como todos sabem, é o principal envolvido, tanto que tentou comprar toda a primeira edição do livro e depois, blindado pela velha mídia, desqualificou o livro, taxando-o de lixo.
Mas o interessante do caso em si, não é a proteção da mídia a Serra e nem as tentativas de censura ao livro. O que me deixa estarrecido é maneira pela qual as coisas são conduzidas por aqueles que deveriam ter interesse nas investigações. Até o momento nenhum membro da cúpula do PT e nem o próprio governo Dilma se manifestou a respeito e isso sugere que a CPI corre o risco de não vingar. A falta de iniciativa do PT sugere algumas reflexões e uma delas - a mais importante, a meu ver - é a do PT não querer abrir precedentes para que a oposição e a mídia insurjam outra onda de denuncismo contra ministros e membros do governo Dilma. Outro fator relevante é o fato de que o livro mostra que alguns membros do PT, no decurso da CPI do Banestado, possam ser chamuscados pela CPI da Privataria, devido o "acordão" que fizeram em nome de uma governabilidade e transição pacífica.
Se a sociedade não exigir e apoiar a abertura da CPI, esta corre um grande risco de morrer na praia.

17 comentários:

Anônimo disse...

A corrupção do Grupo Estado, Editora Abril e Organizações Globo causam a perda total da pouca credibilidade da imprensa brasileira. Essa gente não pensa o futuro do Brasil e acha que tudo será como no século passado. Já estamos na segunda década do século XXI e a mídia não consegue evoluir. Eles, os donos, acham que poderão passar de pai para filho as empresas com essa mentalidade escravagista e excludente ad eternum, mas não será possível. A História do Brasil os julgará sem complascência. Tudo virá a público desde a escravidão, passando pelas ditaduras, o descalabro dos governos do PSDB, o assalto perpetrado por José Serra e gangue à riqueza do nosso país até a corrupção da imprensa brasileira

VEM AÍ A CPI DA PRIVATARIA DA TUCANALHA !
DO BLOG APOSENTADO INVOCADO.

Anônimo disse...

Veja ignora "A Privataria Tucana" na lista de livros mais vendidos

Por: Redação da Rede Brasil Atual
Publicado em 27/12/2011, 14:34
Última atualização às 14:40


Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil tomou o lugar de Privataria Tucana em ranking da Veja (Foto: reprodução)

São Paulo – O ranking semanal de livros mais vendidos da revista Veja desprezou a vice-liderança de "A Privataria Tucana", do jornalista Amaury Ribeiro Júnior, na categoria de não-ficção. O livro apresenta documentos sobre um bilionário esquema de fraudes que teria ocorrido no processo de privatização comandado na década de 1990 durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A publicação não se manifestou a respeito.

Ribeiro Júnior traz documentos e informações que sugerem que o ex-caixa de campanha do PSDB e ex-diretor da área internacional do Banco do Brasil Ricardo Sérgio de Oliveira agiu como "artesão" da construção de consórcios de privatização em troca de propinas. Parentes e pessoas próximas ao ex-governador de São Paulo e ex-ministro do Planejamento, José Serra, também são citadas.

Pesquisa realizada pelo Comunique-se apontou que a publicação de Ribeiro Júnior está entre os dez mais vendidos em livrarias e sites de literatura. "No entanto, na lista dos 20 mais vendidos da revista Veja, a publicação não aparece em nenhuma das posições", cita o portal especializado em comunicação.

Nas livrarias Cultura, Publifolha e Saraiva e no site especializado Publishnews, "A Privataria Tucana" aparece na segunda colocação entre as principais vendas não-ficção, atrás apenas da biografia sobre o empresário Steve Jobs, da Apple, morto neste ano, escrito por Walter Isaacson. O livro do jornalista brasileiro está em 10ª colocação no ranking anual da Fnac.

Veja manteve o "Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil", de Leandro Narloch, no lugar em que, segundo as livrarias, estava "A Privataria Tucana". "Nas outras listas, o livro de Narloch aparece apenas na 15ª posição", indica o site.

Se confirmada a alteração na lista dos mais vendidos, não seria a primeira ocasião em que a prática é verificada. Em abril de 2004, a revista anunciou uma série de mudanças nos critérios para a formulação do ranking, na mesma semana em que o livro "O dia em que matei meu pai", de Mário Sabino, então chefe de redação da revista, figurou como décimo da lista.

PR. TEODORO disse...

Salmos 144
[Salmo de Davi]

Bendito seja o SENHOR, minha rocha, que ensina as minhas mãos para a peleja e os meus dedos para a guerra;

Benignidade minha e fortaleza minha; alto retiro meu e meu libertador és tu; escudo meu, em quem eu confio, e que me sujeita o meu povo.

SENHOR, que é o homem, para que o conheças, e o filho do homem, para que o estimes?

O homem é semelhante à vaidade; os seus dias são como a sombra que passa.

Abaixa, ó SENHOR, os teus céus, e desce; toca os montes, e fumegarão.

Vibra os teus raios e dissipa-os; envia as tuas flechas, e desbarata-os.

Estende as tuas mãos desde o alto; livra-me, e arrebata-me das muitas águas e das mãos dos filhos estranhos,

Cuja boca fala vaidade, e a sua mão direita é a destra de falsidade.

A ti, ó Deus, cantarei um cântico novo; com o saltério e instrumento de dez cordas te cantarei louvores;

A ti, que dás a salvação aos reis, e que livras a Davi, teu servo, da espada maligna.

Livra-me, e tira-me das mãos dos filhos estranhos, cuja boca fala vaidade, e a sua mão direita é a destra de iniqüidade,

Para que nossos filhos sejam como plantas crescidas na sua mocidade; para que as nossas filhas sejam como pedras de esquina lavradas à moda de palácio;

Para que as nossas dispensas se encham de todo provimento; para que os nossos rebanhos produzam a milhares e a dezenas de milhares nas nossas ruas.

Para que os nossos bois sejam fortes para o trabalho; para que não haja nem assaltos, nem saídas, nem gritos nas nossas ruas.

Bem-aventurado o povo ao qual assim acontece; bem-aventurado é o povo cujo Deus é o SENHOR.

---------------

Um Feliz 2012 para todos os amigos e amigas deste excelente blog.

Amigos do Jekiti disse...

Feliz Ano Novo, PR. Teodoro

Anderson Peres disse...

Sabendo da grande quantidade de visitantes em seu blog, eu gostaria de saber da possibilidade de estar lhe passando um material para divulgação de ofertas de vagas dos cursos profissionalizantes do Colégio Brasílio Machado, se puder me passa um e-mail no

novoandersonperes@hotmail.com

que eu lhe mandarei o material, desde já agradeço a atenção.

Amigos do Jekiti disse...

anderson
o email é amigosdojekiti@gmail.com

TEMPESTADE EM COPO COM ÁGUA disse...

Luiz Ferreira Borges

O livro tem 340 páginas e somente 13 folhas sobre os processos de
Desestatização (que segue tendo aplicação até hoje), confundidos com a
privatização brasileira dos anos 1990, envolvendo os governos Collor,
Itamar e Fernando Henrique Cardoso.

O autor trata, como parte de seu tema, privatizações realizadas por
governos do PDT (Eselsa), do PMDB (CSN) entre outros.

O autor, embora alegue dez anos de pesquisa, não fez qualquer trabalho
dessa natureza nos arquivos do Programa Nacional de Desestatização – PND
existentes no BNDES e cita o nome só de membros de sua alta administração,
sem nenhuma acusação fundamentada. Teria sido fácil entrevistar pelo menos um dos mais de cem técnicos envolvidos com o processo no BNDES, nos bancos estaduais, no CADE e em outros órgãos do Estado ligados à gestão do programa.

O autor não cita uma só vez nada das sete toneladas de documentos que foram enviadas à CPMI da Privatização realizada no Congresso Nacional durante o Governo Fernando Henrique Cardoso.

Também não leva em conta a existência de aprovações de contas do programa pelo TCU ou os inquéritos arquivados que foram abertos pela Polícia Federal. Não há qualquer extrato dos milhares de processos judiciais movidos contra
o PND.

Também foram ignoradas as legislações federal, estadual e municipal
aprovadas para dar sustentação à gestão do PND. Exceto duas obras citadas em pé de página, não houve a preocupação de consulta bibliográfica aos milhares de livros, monografias, artigos e comentários feitos na Academia sobre o tema, no Brasil e no exterior. Aliás, o livro não traz bibliografia consultada ou indicações de acesso à internet.

As 50 indicações de pé de página usam jornais cinco vezes, revistas
semanais dez vezes, livros duas vezes, internet duas vezes e transcrições
de autos duas vezes (não relacionados ao PND).

O autor também não se deu ao trabalho de ler as prestações de contas feitas
à sociedade pelo BNDES sobre o PND e, especificamente, sobre os processos
de venda citados. As demonstrações financeiras das empresas desestatizadas também não foram utilizadas para qualquer referência sistemática no texto do livro.

O livro trata de outros assuntos, com diferentes graus de profundidade,
como a família do então ministro José Serra, o próprio Amaury Ribeiro
Junior (que se cita em diversos pés de página), o banco Opportunity e os
seus controladores, o Banestado, o traficante João Arcanjo, o senhor Marcus
Valério, a família Maluf, o caso Baumgarten, as brigas internas de PSDB e
PT, inclusive quanto ao uso do aparelho do Estado, a operação Satiagraha da
Polícia Federal, a descrição dos instrumentos sobre lavagem de dinheiro, o
caso INSS versus Jorgina Freitas entre inúmeros outros.

Os três capítulos que tratam da Privatização serão analisados de forma mais
detalhada, mas não encontrei mais do que opiniões ou ilações mal costuradas.

Minha conclusão é de que, pela sua irrelevância para a história do BNDES, o
livro Privataria Tucana não traz nenhuma acusação que mereça ser
oficialmente rebatida pela APA, embora possa pensar em ações em caráter
pessoal para questioná-lo sobre esses pontos. Nesse sentido pergunto se
algum dos colegas foi procurado pelo autor na montagem de sua obra?

Luiz Borges é ex-funcionário do BNDES e passou o dia do Natal analisando o livro.

Bacucu com Farinha disse...

Além de perder o Natal, analisou mal pra caramba... só faltou repetir a memorável frase do Padim Pade Çerra... aquele da bolinha de papel manja... ao ser abordado sobre o livro do Amaury... - "Lixo" o livro é um "Lixo".

Ôh!!! Amaury... vê se da próxima vez entrevista pelo menos um dos mais de cem técnicos envolvidos com o processo no BNDES, neste caso chama o Luiz Borges.

Amigos do Jekiti disse...

quero avisar ao honorável anônimo tucano, que o tal Luiz Borges, embora merecedor do meu respeito, elaborou seu texto concentrando-se no programa de privatizações. O que o livro do Amaury trata não são os processos privatistas e sim o enrequecimento (ilícito)de alguns protagonistas tucanos.
Meu caro, vc não é tão injênuo de acreditar que algum funcionário do BNDES saiba como as propinas foram pagas e toda a movimentação das contas em paraísos fiscais dos tucanos envolvidos ou tem?

JUBA disse...

EFEITO DEVASTADOR DO LIVRECO

O sucesso do recém-lançado livro “A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Júnior, que traz denúncias contra pessoas ligadas ao ex-governador de São Paulo, José Serra, fez com que o clima de “racha” aumentasse no PSDB. As informações são da colunista da BandNews FM, Mônica Bergamo.
Segundo a colunista, duas semanas após ter sido lançada, a obra está entre as mais vendidas das livrarias de todo o país. Pessoas que convivem com o ex-governador paulista afirmam que a mágoa por Aécio Neves – que teria acendido uma faísca para as investigações – aumentou.
A filha de Serra, também citada no livro, chegou a divulgar uma nota em que anuncia processar os que a acusam e diz que as denúncias são, na verdade, infâmias.

O BARÃO DO MORRO DA CRUZ disse...

Na verdade, verifico isso desde a campanha presidencial, quando os petistas foram pegos com a boca na botija tentando montar um dossiê contra o mesmo (lembram do Lanzeta? lembram quem era seu chefe? Fernando Pimentel). Não bastasse, ainda houve aquele episódio da quebra de sigilos fiscais de parentes ou de pessoas ligadas ao candidato do PSDB.
Pois bem. Mais uma campanha se aproxima e parece que o PT tem plena certeza de que Serra será o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, já que iniciou uma sórdida campanha contra sua pessoa. Esse livro, a que foi dada ampla publicidade por petistas por aqui, vem dizendo que parentes de Serra e que pessoas do PSDB tem contas em paraísos fiscais e também que ele teria jogado sujo na campanha presidencial! Lembram da questão do aborto, onde Dilma deu uma entrevista dizendo que era a favor e depois negou até a morte sua posição?! Muitos petistas e alguns incautos vieram dizer que a exploração desse assunto era coisa de reacionários, da extrema direita etc e tal, mas não pensaram que isso apenas mostrava a falta de convicção e coerência da candidata Dilma.
Finalizando, gostaria apenas de ressaltar que nunca tive notícia de que José Serra estivesse envolvido em qualquer espécie de ilícito, em qualquer denúncia de corrupção, pois dado seu tempo de vida pública, muita coisa já poderia ter sido descoberta, mas repito, nunca soube de algo que maculasse sua reputação.
Podem não gostar dele como político, dizer que ele é chato e desagregador, que não consegue uma estratégia para se eleger presidente, mas isso faz parte da política, contudo, também há que se reconhecer sua competência como gestor e sua honestidade e reputação ilibada.

CHEETA disse...

Já que os esquerdistas do blog andam tão preocupados com os direitistas que até fizeram uma listinha com supostas “ideias da direita”, eu tenho a impressão que, antes de mais nada, eles deveriam expor as suas próprias ideias, para que não fique a impressão que são apenas uns cabeças ocas movidas a reflexos condicionados expressos por ironias, piadinhas e “reduções ao absurdo”.

Para que todos possamos situá-los melhor eu sugiro até que, em primeiro lugar, localizem os pontos em que os governos de Lula e Dilma se identificam com os princípios da esquerda.

Eu, por exemplo, localizei algumas semelhanças – com um pequeno auxílio de Vargas Llosa: não sei se elas constam das cartilhas da esquerda ortodoxa, mas certamente fazem parte da esquerda brasileira. A saber:
- O autoritarismo do presidente como um substituto da lei;
- A troca das antigas oligarquias por outros tipos de oligarquia;
- A denúncia do imperialismo capitalista (com o inimigo sempre sendo os Estados Unidos);
- A projeção da luta de classes entre os ricos e os pobres, negros e brancos, homo e heterossexuais, etc.;
- A idolatria do estado como uma força redentora dos pobres;
- E o paternalismo pelo qual os empregos públicos – em oposição à geração de riqueza – são os canais de mobilidade social e uma forma de manter o voto cativo nas eleições.

Então, vocês da esquerda vão mostrar que também têm ideias?

JUBA disse...

NÃO SAI NA GLOBO, NA VEJA E NA FOLHA DE Kenneth Maxwell
Perspectivas:
O Brasil recebeu uma espécie de beneplácito para terminar 2011. O Centre for Economics and Business Research (CEBR), uma organização londrina de pesquisa, informou que o Reino Unido agora é a sétima maior economia do planeta, atrás do Brasil.
O CEBR prevê que o Reino Unido, em breve, será superado por Rússia e Índia. No momento, as maiores economias mundiais são, pela ordem, Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, França e Brasil.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, mencionou com satisfação, no site de seu ministério, o relatório do CEBR. No início de dezembro, ele recebeu em Brasília a diretora-executiva do FMI, Christine Lagarde, com o seguinte comentário: "Para nós, é uma grande satisfação que, dessa vez, o FMI não tenha vindo ao Brasil para trazer dinheiro, como no passado, e sim para solicitar que emprestemos dinheiro aos países desenvolvidos".
O relatório do CEBR, na verdade, confirmou a previsão anterior do FMI, de que o Brasil seria a quinta maior economia mundial em 2016.
A população brasileira é três vezes maior que a do Reino Unido e, portanto, sua renda per capita é equivalente a um terço da britânica. Mas a classe média brasileira está crescendo. A economia do país continua, em larga medida, voltada ao mercado interno, o que oferece algum lastro contra as flutuações extremas da economia internacional. E essa posição favorável é reforçada por poderosas companhias estatais, banco de desenvolvimento nacional e fundos de pensão do setor público brasileiro, bem como pelo vigor do setor privado.
Mas há preocupações. Entre elas, os preços voláteis das commodities nos mercados internacionais, o risco de inflação e as taxas de juros reais muito elevadas. A mais grave delas, porém, refere-se à educação. A falta de profissionais qualificados no setor de alta tecnologia é um sério obstáculo ao crescimento futuro.
A associação setorial Brasscom estima que haja um deficit de 45 mil profissionais no setor de tecnologia de comunicações. Só 33 mil formandos devem ingressar no mercado em 2014, quando 78 mil seriam necessários. O problema é agravado pela baixa qualidade do ensino básico de matemática e pelo alto índice de abandono de cursos. felizmente, remediar tais deficiências é prioridade do governo.
Douglas McWilliams, presidente do CEBR, disse ao jornal "Financial Times" que "o Brasil derrotou os países europeus nos campos de futebol, mas derrotá-los economicamente representa um novo fenômeno". Para consolidar esses avanços econômicos, será preciso um esforço mais urgente e sustentado em longo prazo para melhorar a educação, especialmente o ensino básico, sobretudo na área de ciências.
KENNETH MAXWELL
Tradução de PAULO MIGLIACCI S.PAULO.

Anônimo disse...

CUIDADO BLOGUEIROS OS BANDIDOS ESTÃO ENFURECIDOS.

O prefeito Josivan Bibiano de Azevedo, do PSDB da Serra do Mel, teve a prisão preventiva decretada pelo desembargador Dilermano Mota, do Tribunal de Justiça do Estado.

Bibiano está sendo acusado de mandar matar o jornalista Ednaldo Filgueira, presidente local do PT, na noite do dia 15 de junho de 2011, na Vila Brasília da Serra do Mel.

O cumprimento da determinação do desembargador aconteceu na manhã de sábado, às 8h, na residência do prefeito, em Mossoró, por policiais federais e Civis.

Além do prefeito, existem outras oito pessoas presas, entre articuladores, executores e apoio. O prefeito foi indiciado pelo delegado Odilon Teodósio como mandante.

Depois de indiciado, no mês de outubro passado, Josivan Bibiano foi denunciado pelo procurador Geral de Justiça do Ministério Público, Manoel Onofre.

A denúncia foi protocolada na tarde de sexta-feira e no mesmo dia o desembargador Dilermano Mota assinou a ordem de prisão preventiva. Neste mesmo dia, Dilermano mandou soltar o prefeito Grinaldo Sousa, de Vila Flor, acusado de corrupção.

Sobre Serra do Mel, Dilermano considerou que existem indícios suficientes que comprovam a culpa de Bibiano, que nega qualquer participação no crime.

O advogado José Wellington viajou na manhã deste sábado a Natal, onde já iria dá entrada com o pedido de habeas corpus de Bibiano. Disse que seu cliente é inocente, que não tinha motivos para matar Ednaldo. “Meu cliente está sofrendo forte perseguição política”, diz.

Bibiano vai aguardar decisão da Justiça preso no Centro de Detenção Provisória da Zona Sul, de Natal.

Mav PT São Paulo
Com O Terror do Nordeste
Poderá também gostar de:
Irmão de prefeito do PSDB é preso por assassinato de ...
O sonho de “matar” Lula
Blogueiro é assassinado no RN
LinkWithin

JUBA disse...

ENCOMENDE SEU LIVRINHO DE CORDEL SOBRE A PRIVATARIARIA TUCANA

"Caiu a casa tucana Do jeito que deveria E agora nem resta pó Pois tudo na luz do dia
Está tão claro e exposto E o que ninguém sabia Surge revelado em livro
Sobre a tal privataria. "Amauri Ribeiro Junior Um jornalista mineiro
Em mais de 300 páginas Apresenta ao mundo inteiro A nobre arte tucana
De assaltar o brasileiro Pondo o Brasil à venda Ao capital estrangeiro.
"Expondo a crua verdade Do Brasil privatizado O livro do jornalista
Não deixa ninguém de lado Acusa Fernando Henrique Gregório Marin Preciado
Serra e suas mutretas E o assalto ao Banestado. "Revelando em detalhes
Uma quadrilha em ação O relato jornalístico Destrói logo a ficção
De que político tucano É homem de correção Mostrando que entre eles
O que não falta é ladrão. "Doleiros e arapongas Telefone grampeado
Maracutaias financeiras Lavagem por todo lado Dinheiro que entra e sai
Além de sigilo quebrado Obra de gente tucana Na privatização do Estado.
"Parece mas não é Ficção esse relato Envolvendo tanta gente
E homens de fino trato Que pra roubar precisaram Montar um belo aparato
Tomando pra si o Estado Mas hoje negam o fato. "Tudo isso e muito mais

JUBA disse...

CONTINUAÇÃO...


Coisas de uma gente fina Traficantes de influência E senhores da propina
Mostrando como se rouba Ao pivete da esquina E a cada negócio escuso
Ganhando de novo na quina. "Se tudo isso não der Pra tanta gente cadeia
Começando por Zé Serra Cuja conta anda cheia O Brasil fica inviável
A coisa fica mais feia Pois não havendo justiça O povo se desnorteia
"Com CPI já pensada Na câmara dos deputados Não se fala outra coisa
No imponente senado Onde senhores astutos E tão bem engravatados
Sabem que o bicho pega Se tudo for investigado. "Por isso, temos tucanos
Numa total caganeira No vaso se contorcendo Às vezes a tarde inteira
Mesmo com a velha mídia Sua indiscreta parceira Pelo silêncio encobrindo
Outra grande roubalheira. "São eles amigos da Veja Da Folha e do Estadão,
Da Globo e da imprensa Que distorce a informação Blindando tantas figuras
Que tem perfil de ladrão Mostrando-os respeitáveis Como gente e cidadão.
"Pois essa mídia vendida Deles eterna parceira E que se diz democrática
Mas adora bandalheira Ainda não achou palavras E silenciosa anda inteira
Como se fosse possível Ignorar tanta sujeira. "Ela que tanto defende
A liberdade de imprensa Mas somente liberdade Pra dizer o que compensa
Não ferindo interesses Tendo como recompensa Um poder exacerbado
Que faz toda a diferença. "Mas neste livro a figura Praticamente central
Sujeito rei das mutretas Um defensor da moral É o impoluto Zé Serra
Personagem que afinal Agora aparece despido Completamente venal.
"É o próprio aparece Sem retoque nem pintura Tramando nos bastidores
Roubando na cara dura. É o Zé Serra que a mídia Esconde e bota censura
Para que o povo não veja A sua trágica feiúra. "E ele sabe e faz tudo
No reino da malandragem Organiza vazamentos Monta esquema de lavagem
Ensina a filha e o cunhado As artes da trambicagem E como bandido completo
Tenta preservar a imagem. "Mas agora finalmente Com a casa já no chão
E exposta em detalhes Tão imensa podridão Que nosso país invadiu
Com a privatização Espera-se que Zé Serra Vá direto pra prisão.
"E pra não ficar sozinho Que ele vá acompanhado Do Fernando ex-presidente
Mais o genro dedicado Marido da filha Mônica E outro homem devotado
Ricardo Sergio Oliveira E também o Preciado. "Completando o esquema
Deixando lotada a prisão Ainda cabe o Aécio Jereissati e algum irmão
Nunca esquecendo o Dantas Que só rouba de bilhão E traz guardado no bolso
O tal Gilmar canastrão. "Como estamos em época De Comissão da Verdade
Que se investigue a fundo E não se tenha piedade Dos que usaram o Estado
Visando a finalidade De praticar tanto crime E ficar na impunidade.
"Tanto roubo descarado Provado em documento Não pode ser esquecido
E ficar sem julgamento Pois lesou essa nação Provocando sofrimento
A quem sofre e trabalha Por tão pouco vencimento. "Que o livro do Amauri
Maior presente do ano Seja lido e comentado Sem reservas nem engano
Arrebentando o esquema Desse grupo tão insano Abrindo cela e cadeia.
Pra todo bandido tucano."
Silvio Prado
Diretor Estadual da APEOESP
venceremos.2@hotmail.com

Henrique disse...

AOS AMIGOS DO JEKITI RECOMENDO O VÍDEO NO ENDEREÇO ABAIXO, PARA QUE TODOS ENTENDAM PORQUE SOU E SEMPRE SEREI DA ESQUERDA.
VALE A PENA VER MUITAS VEZES " ORDEM CRIMINOSA DO MUNDO".
http://www.viomundo.com.br/politica/carta-maior-a-ordem-criminosa-do-mundo.html

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento