"Monocrômica, anacrônica, atraente, arcaica Antonina, não amo-te ao meio, amo-te à maneira inteira."
Edson Negromonte.



segunda-feira, 28 de maio de 2012

JOÃO VALENTÃO

Quando era criança em Antonina, na minha rua Dr. Carlos Gomes da Costa, morava um menino de nome João. Ele era mais velho dois anos e, claro, mais forte que a maioria dos meninos da minha turma. Quando meus amigos e eu inventávamos alguma brincadeira logo ele aparecia e nos obrigava a brincar de outra coisa que melhor lhe conviesse. Todos nós acabávamos cedendo aos seus caprichos com medo dos cascudos e pés do ouvido do João.
As brincadeiras que João mais gostava eram aquelas que mais constrangiam a gente, porque ele sabia que não tínhamos coragem de enfrentá-lo. Ele nos impunha as brincadeiras de "bolso-esquerdo" e "mão-no-breque" porque eram as mais constrangedoras, cujas regras só nós tínhamos a obrigação de cumpri-las. Sua mãe sempre estava na janela e a cada cascudo que João nos dava ou nos tirava alguma coisa mais orgulho ela sentia do filhinho.
Um dia o Paulinho resolveu não atender ao seu pedido de "mão-no-breque", porque ele estava com vergonha de ficar com a mão no escroto na frente de uma menina que ele gostava. João olhou para a mãe, que estava na janela, e não titubeou, deu alguns cascudos na cabeça de Paulinho, além de roubar-lhe toda a coleção de figurinhas de futebol que estava em seu bolso esquerdo. Meus amigos e eu olhamos aquela cena e não fizemos nada, apenas sentimos um misto de indignação e medo e saímos de fininho com o rabo entre as pernas.
Acompanhamos Paulinho até ele entrar em sua casa, sem nada dizer e muito menos ampará-lo, pois temíamos por alguma represália do João. De longe, vímos João receber o sorriso orgulhoso de sua mãe e ainda se deliciar com a quantidade de figurinha que havia roubado de Paulinho.
No dia seguinte foi a vez de João fazer a mesma coisa com Neutinho e a gente não reagiu, porque Paulinho estava conosco. No outro dia foi com Naldinho e adotamos a mesma postura covarde, porque Paulinho e Neutinho estavam conosco. Semanas depois foi com Eduardinho, depois com Jeffinho e por fim comigo...
Hoje João continua morando em Antonina, na mesma rua, e quando o vemos mudamos de calçada para que ele não nos imponha o constrangimento de que um dia fomos uns covardes só porque temíamos o resultado daquele sorriso deleitoso que sua mãe lhe dava da janela da sua casa.

5 comentários:

Henrique Dias disse...

No fundo esses caras são uns coitados. Conheci muitos.
Alguns morrem cedo e outros não são nada na vida.

luiz disse...

Luiz Henrique, o texto fala um pouco de cada um de nós, asssustados diante da força de um João Valentão, com medo da violência, com vergonha e a vida segue, nos tornamos adultos e esses fantasmas rondam nossos pensamentos porque estão dentro da nossa alma.
Luiz Antonio de Souza

Henrique Dias disse...

Por Altamiro Borges

OS CARAS DE PAU:

O PSDB começou a exibir nesta semana as suas inserções publicitárias no horário partidário na rádio e TV. Numa delas o cambaleante presidenciável tucano, o senador Aécio Neves, aparece todo maquiado dizendo que tem um "sonho" - "a de que a política possa, um dia, ser o espaço da ética". Na maior caradura, ele garante que o seu partido tem esse firme compromisso. É muito cinismo.
Chega a ser risível!

Para reforçar a sua mensagem "ética" o PSDB bem que poderia exibir também as imagens do governador de Goiás, Marconi Perillo, que a cada dia se complica mais na cachoeira de denúncias sobre o envolvimento com o crime organizado. Também poderia prestar esclarecimentos sobre as falcatruas com dinheiro público nas obras do Rodoanel em São Paulo, que envolve o seu "amigo" José Serra. Aécio Neves ainda poderia rechaçar as acusações, que partiram de Minas Gerais, sobre a "privataria tucana" no reinado de FHC.

Os tucanos - juntamente com os eternos aliados demos - estão perdidos, sem rumo. Não têm propostas e perderam as suas bandeiras. Mesmo assim, eles insistirão na tecla udenista dos paladinos da ética. Caso a situação de Marconi Perillo se complique de vez, talvez até façam como o DEM - que já rifou Demóstenes Torres, o seu grande líder. Será que os eleitores brasileiros vão se deixar iludir com a falsa marquetagem?

Henrique Dias disse...

Não da para esquecer...




Alvaro Dias bate nos professores! - YouTube

► 1:34► 1:34
www.youtube.com/watch?v=uyks-1v3Ang

Henrique Dias disse...

10 FATOS CHOCANTES SOBRE OS ESTADOS UNIDOS
NÃO DEIXEM DE LER.

fonte: SITE OPERA MUNDI

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento

O JEKITI NOS ANOS 60 - foto do amigo Eduardo Nascimento